O Cuzinho Experimental, um selo que é uma orgia entre Cozinha Experimental, Presença e Dodo, lança mais uma publicação excitante. Se lambuzem!

001002007005006004003

Zines Marzipan nº 01 & 02

Serigrafia e fotocópia

Autor: William Galdino


fotos por Germano Alberto


DSC_0053 (cópia)DSC_0055 (cópia)DSC_0056 (cópia)DSC_0057 (cópia)DSC_0058 (cópia)DSC_0060 (cópia)DSC_0061 (cópia)DSC_0062 (cópia)DSC_0063 (cópia)DSC_0064 (cópia)DSC_0065 (cópia)DSC_0067 (cópia)

Idealizada pela Galeria Vermelho, a Feira Tijuana de Arte Impressa, teve sua primeira edição em 2009, a partir de uma parceria com o Centre National de L’Édition et de L’Art Imprimé (CNEAI, França). Trata-se de um espaço anual de apresentação, distribuição e comercialização de publicações, livros de artista, gravuras, pôsteres. Conta com a participação de editoras, coletivos e artistas nacionais e internacionais. Ao passar dos anos o Tijuana foi se especializando na produção editorial e de impressos da América Latina.


Data: 7 e 8 de maio de 2016
Horário:10h às 17h
Local: Escola de Artes Visuais Parque Lage (Rua Jardim Botânico, 414, Jardim Botânico, Rio de Janeiro – RJ)
*sujeito a lotação

13173225_699939100144402_7870296852853635054_o

Edita, diagrama, escaneia, xeroca, recorta, cola, photoshopa, imprime, dobra, costura, grampeia, embebe de curry, embebe de cana, publica, lança ao espaço, expõe!

A bomba lenta foi armada, está engendrada, seu tic tac visual ecoa para a caixa acústica torácica, ressoa pelo diafragma transborda para a cabeça explode e pipoca!

Explode a barreira, destrói a linha, ultrapassa a fronteira. As feridas estão abertas, os estilhaços despedaçados, por todo o espaço espalhados: alta cultura, baixa cultura, artista, artesão, editor, tudo junto e misturado dão vida ao corpo fragmentado.

FORMATO INDEFINIDO é palavra que foi roubada da fala e para essa exposição se encaixa perfeitamente como título.
É artista que edita livro e editor que se aventura na arte por amor ao perigo.

FORMATO INDEFINIDO nasce como abrigo para rabiscos, no amor compartilhado pela urgência que é o lançamento de um livro, feira de publicações, parede para prego e encontro com os amigos.

unnamed (1)

Dia 30 de abril estaremos lançando dentro da exposição Formato Indefinido uma nova publicação, parceria da DODO com a Cozinha Experimental, que é o  primeiro fruto executado em nossa nova sede, a Oficina do Prelo.

É um trabalho de Araújo Vasconcelos. Uma reapropriação, um remix, um sample retirado da hq El Sueñenro de Enrique Breccia.

remix001remix002remix003remix004

A exposição Formato Indefinido conta com um time de artistas e editores de primeira e terá outros lançamentos! Não perca!

divulga

 

Capafrente

Capatrás

Este disco é uma preciosidade de nossa coleção e um marco da música independente curitibana. Pra ser sincero, não sei muito sobre a cena da música curitibana do início dos anos 2000, mas este disco marcou minha vida e de vários amigos que também tiveram a chance de conhecer um dos trabalhos sonoros mais inovadores e livres que o planeta pôde proporcionar. Desta época eu gostava muito do Malditos Ácaros do Microcosmos, que cheguei a entrevistar até (me disseram até que é a mesma galera do Malditos Ácaros que fez o Vitoriamário, mas essas hipóteses ficarão para o final do texto).

Em 2001 eu só achava zines em 3 lugares em Curitiba. Na Itiban, na Gibiteca e na Barulho Records. Esta última era uma loja de discos no Shopping Omar, na Vicente Machado. Lá você podia encontrar as demos e discos de bandas independentes de Curitiba e de outros lugares, assim como uns zines de vez em quando. Enquanto na Itiban e na Gibiteca os zines eram quase que exclusivamente de quadrinhos, na Barulho você encontrava publicações da cena de música independente e outras coisas (consegui zines lá que vivem no meu coração até hoje, como o Intestino Tom, que era de um cara de Joinvile eu acho, mas que não é o tema hoje, mas que está disponível para download aqui no Acervo#1). Eu estudava lá na sete de setembro nesta época e ía a pé até o Omar pra dar uma olhada no que tinha de novo na Barulho (inclusive eu deixava uns zines meus num envelope pra um cara que pegava e deixava os dele lá pra mim. Esqueci o nome dele, nunca nos conhecemos pessoalmente). Cheguei lá e olhando na parte de discos independentes e demos achei esta capa feita de papelão de caixa, grampeado, carimbado, cola colorida, com um papel preso com bandeide e um cd gravado em casa embalado num papel A4 com um manifesto escrito. Demais! eu pensei e custava apenas 6,50 (na época os CDs das bandas custavam em média 10 reais e as fitinhas saiam por 5). Posso dizer que foi amor a primeira vista, já que nem quis escutar o disco, só a embalagem grotesca, no melhor espírito fanzínico me conquistou e eu pensei, mesmo que seja uma merda, esta capinha já vale o preço.

Saí do Omar e voltei para o colégio. Na época tinha um discman com antishock system (alguém lembra disso? Mp3 players só alguns anos mais tarde), o que me permitia escutar música enquanto andava. Coloquei o cd e foi uma porrada, uma confusão, um delírio, deleite, sei lá o que passou pela minha cabeça, mas foi fatal. Era uma das coisas mais estranhas, espontâneas, fodas que já tinha ouvido, um zine sonoro, um disco dadaísta, até hoje não sei como classificar, mas escutei estes disco muitas vezes pelos 5 anos seguintes. Na época pensei em fazer uma banda no mesmo estilo, queria fazer colagens sonoras, achei a coisa toda tão incrível que queria ser parte daquilo, ou fazer algo do tipo, sei lá. Delirei muito, nunca gravei nada, mas inventei bandas e colagens sonoras na cabeça, falei muito sobre isso com amigos e pessoas aleatórias e comecei a tentar descobrir quem eram essas pessoas do Vitoriamário.

Nunca consegui informações, apenas boatos, comentários, fulano que conhecia beltrano que conhecia os caras do disco que falou que disse que não sei o que. Uma das hipóteses é que era um projeto paralelo dos caras do Malditos Ácaros do Microcosmos, ou de alguns deles. Outra história que escutei é que essa galera tinha vários projetos experimentais e acabaram indo morar numa comunidade alternativa não sei onde. Alguns ainda afirmaram que essa comunidade era uma ilha e que esse pessoal do VitoriaMario eram  anarquistas. Também me falaram que foi dois caras na casa de um deles num final de semana sem nada para fazer. Bem, não me lembro de mais nenhuma pista. Acredito em todas as hipóteses ao mesmo tempo.

(Quero aprofundar esta investigação, quem tiver alguma pista por favor entrar em contato. Quero fazer um documentário sobre este disco!)

O disco ficou numa gaveta na casa da minha mãe quando vim pro Rio de Janeiro e só agora, quase seis anos depois de chegar aqui, lembrei dele numa conversa com o Julian. Busquei o disco em Curitiba. É com muita satisfação que disponibilizamos uma das obras mais influentes em minha vida, um dilatador mental sonoro, um dos pais espirituais da Dodo Publicações, o que talvez a música (será???) contemporânea curitibana tenha feito de melhor no início do século XXI.

Divirtam-se aqui.

 

Manifesto_Vitoriamario_baixa

 

4ª edição da Feira de Publicações  do Sesc Pompeia.

12 e 13 de dezembro de 2015
Sábado das 14h às 21h
Domingo das 14h às 19h

AVESSA_eflyer

É com muito prazer que a DODO Publicações em parceria com o selo Cuzinho Experimental lança a Coleção Caderno Rosa.

001

Neste fim de semana, na feira Pão de Forma, você poderá adquirir o seu exemplar.

O primeiro artista da coleção é Iuri Casaes. Confira algumas fotos e fique com água na boca.

002

003

004

005

006

Dias 3 e 4 de outubro, das 15h às 22 h

Casa da Glória – Ladeira da Glória, 98, Glória,  Rio de Janeiro.

Traje de banho opcional.

Uma inciativa Comuna & A Bolha Editora.

pão de forma 2015_n

001

002

003

004

005

006

007

008

009

010

Páginas

%d blogueiros gostam disto: